Revolução verde

Estou falando da região dos Vinhos Verdes, a mais setentrional de Portugal. Não custa frisar, "Vinho Verde" é o nome da região, não a cor do vinho ou das uvas com as quais é feito.

Dali saem essencialmente vinhos brancos, mas tintos, rosés e espumantes compõem um pequena parte da produção também. Conhecidos por serem leves, simples, para serem tomados gelados na piscina, os Vinhos Verdes estavam longe de ser referência em grandiosidade entre os brancos do mundo.

Não que haja nada de mal em ser deliciosamente refrescante. Ao contrário. Os verdes continuam sendo isso. Mas a diferença é que agora eles não são só isso. Produtores querem expressar a diversidade de suas castas e subregiões.

Uma surpresa: a variedade Avesso. Mais encontrada na subregião de Baião, extremo sudeste da zona, encostadinha no Douro, (ou seja, uma parte mais protegida, não tão influenciada pelo Atlântico). Resultado, vinho densos, ainda delicados, que aliam mineralidade e notas de tangerina incomparáveis.

Outra linda surpresa: ver envelhecer esses vinhos. Pudemos degustar Alvarinhos com 5, 6, até 11 anos de idade, na subregião de Monção e Melgaço, onde a casta reina protagonista. Pude assistir de perto.

E, sem dúvida, tintos da casta Vinhão, que quase não chegam ao Brasil. Arisca, tânica, ácida, quando bem vinificada, dá tintos roxos, muito densos, com aromas de amoras, carnudos, tostados, que funcionam tão bem com os embutidos –ou enchidos, como se diz na terrinha– vinhos que permanecem ainda como tesouros escondidos a serem descobertos.